Últimas Publicações

Grid List

Aposentados terão que devolver dinheiro após revisão do órgão

CGN -  Esta semana, o governo disse que mesmo antes de começar a operação “pente-fino”, mais de 53 mil benefícios por incapacidade foram “cortados” pelo INSS, gerando economia de R$ 916 milhões. No início do ano, objetivando reduzir gastos, foi apresentado pelo INSS um plano para o Ministério do Orçamento, assumindo compromisso de revisar 500 mil auxílios-doenças e 700 mil aposentadorias por invalidez.

Extra (RJ) - Milhares de aposentados do INSS que retornaram ao mercado de trabalho poderão ser favorecidos com a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) sobre a troca de aposentadoria, a chamada desaposentação. O tema voltará a ser julgado pela Corte em 26 de outubro. Os ministros do STF decidirão pela validade ou não da troca de benefício, que poderá aumentar o valor da renda de cada segurado.

Convênios incluem as redes de farmácias Pacheco, Drogasmil e Raia/Drogasil

G1 - Contas de 20 prefeituras do estado tiveram bloqueio solicitado pelo tribunal. Comissão foi montada para apurar regimes próprios de Previdência.

Beneficiários que recebem auxílio-doença e aposentadoria por invalidez vão passar por nova perícia. Decisão foi anunciada no início do julho pelo presidente Michel Temer

O SINDICATO NACIONAL DOS APOSENTADOS E PENSIONISTAS DA FORÇA SINDICAL (SINDNAPI) CONVOCA, COM URGÊNCIA, os aposentados e pensionistas que receberam carta de aviso de ESTORNO DE REVISÃO DE BENEFÍCIO, referente a revisão do artigo 29, II.

Projeto prevê dois assentos para idosos de baixa renda; proposta seria um adendo ao Estatuto do Idoso, que já prevê gratuidade em transporte terrestre

Previdência Total - O governo federal está procurando de diversas maneiras reduzir os gastos da Previdência Social no País. O presidente Michel Temer (PMDB) decidiu que vai mandar a proposta de reforma ao Congresso Nacional neste mês, antes das eleições municipais. O projeto visa fixar a idade mínima para se dar entrada na aposentadoria aos 65 anos, tanto para homens como para mulheres. Porém, essa será uma longa negociação. De imediato, o INSS (Instituto Nacional do Seguro Social) está tentando barrar a desaposentadoria no Judiciário e no Legislativo. 

Em duas frentes, a autarquia previdenciária vem tentando barrar os direitos dos aposentados que retornaram ao mercado de trabalho e continuam contribuindo com o sistema previdenciário brasileiro. O governo sinalizou recentemente que pretende incluir na proposta de reforma da Previdência um regime especial para os aposentados que continuam no mercado de trabalho, no qual os trabalhadores que recebem benefícios e continuam na ativa podem ficar isentos de contribuição mensal ao INSS. Ou seja, a estratégia é a de minar as decisões do STJ (Superior Tribunal de Justiça) e de diversos tribunais da Justiça Federal brasileira que reconhecem e validam a troca de aposentadoria. 

Segundo os especialistas em Direito Previdenciário, o INSS também está solicitando ao STF (Supremo Tribunal Federal) que julgue de forma rápida o pedido de suspensão dos processos de desaposentadoria que estão nos tribunais brasileiros. “Esse pedido é uma espécie de pressão do INSS para barrar as vitórias que centenas de aposentados estão garantido nos tribunais por aposentadoria mais vantajosa, pois continuam no mercado de trabalho e contribuindo com o INSS. E essas vitórias vêm sendo reforçadas por um instrumento chamado tutela de evidência, que surgiu em março deste ano, após a aprovação do novo CPC (Código de Processo Civil)”, explica o advogado João Badari, sócio do escritório Aith, Badari e Luchin Advogados. 

Na visão dos especialistas, essas duas operações demonstram que a autarquia previdenciária, de certa forma, reconhece que os aposentados que continuam na ativa têm esse direito, mas com a desculpa de que existe um deficit na Previdência Social, não quer pagar essas novas aposentadorias. 

Segundo a AGU (Advocacia-Geral da União), existem mais de 182 mil ações judiciais em curso no País tratando da troca de aposentadoria o que, segundo a União, pode gerar custo de R$ 7,65 bilhões por ano no deficit da Previdência, e um impacto de longo prazo de R$ 181,87 bilhões. 

O advogado Murilo Aith, também sócio do escritório Aith, Badari e Luchin Advogados, no entanto, observa que essa tese da União não é verdadeira. “Esses números são desmentidos pela Anfip (Associação Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal) e reforçados pela tese defendida pela nobre economista e professora da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) Denise Gentil. Segundo a acadêmica, é falso o discurso que diz que a Previdência no Brasil é deficitária. Ela defende que o que está errado não é o modelo atual da Previdência que, apesar da política fiscal caótica do governo, continua gerando superavit. Denise demonstra, ao lado da Anfip, que as receitas da Previdência Social superam os gastos desde 2007”. 

A economista aponta, por exemplo, que esse superavit foi em 2013 de R$ 67,6 bilhões. Já em 2014, segundo a professora, esses números tiveram queda, apesar de ainda estarem positivos, para R$ 35,5 bilhões. E a estimativa da acadêmica é de que 2015, segundo dados preliminares, seja de superavit de R$ 20 bilhões. Esses dados estão calcados no fato de que o crescimento econômico registrado nos últimos dez anos trouxe a redução da informalidade e o aumento do número de empregos formais, o que alavancou a arrecadação previdenciária. 

Dispositivo permite parar processo 

O professor e autor de obras de Direito Previdenciário Marco Aurélio Serau Junior explica que o INSS se valeu de um dispositivo, que também entrou em vigor com o novo CPC (Código de Processo Civil), que permite a suspensão de processos em todo território nacional. “No caso de o tema estar sob julgamento na sistemática da repercussão geral, como ocorre com a desaposentadoria, o INSS tem o direito de requisitar a suspensão do processo. Esse pedido foi rejeitado pelo STF, embora conte com algum respaldo legal.” 

Já o professor Gustavo Filipe Barbosa Garcia, doutor em Direito pela USP (Universidade de São Paulo), avalia que a desaposentadoria é figura que ainda apresenta intensas controvérsias. “Isso porque, por meio dela, o segurado abre mão da aposentadoria que estava recebendo para requerer nova e diversa aposentadoria em valor mais vantajoso. E, quando se gera ao segurado o direito de recebimento de nova aposentadoria em valor superior ao benefício anteriormente recebido, certamente aumentam as despesas do INSS com o pagamento de benefícios previdenciários”, afirma. 

Entretanto, o professor também analisa que a desaposentadoria “pode aumentar as despesas com benefícios previdenciários, mas não necessariamente acarreta deficit no orçamento da Seguridade Social caso os recursos deste, decorrentes de contribuições sociais para a Seguridade Social, por exemplo, não sejam desvinculados para outras despesas públicas”. 

VALIDADE - Murilo Aith considera justo que o aposentado que volta a contribuir para a Previdência Social possa desfrutar de seus benefícios e ter sua aposentadoria recalculada, com base nas novas e recentes contribuições. E, segundo ele, os tribunais brasileiros vêm reconhecendo esse direito. 

“Diversos juízes federais entendem que o aposentado tem direito a um reajuste (alguns chegam a mais de 100%), de acordo com a nova contribuição. E os aposentados não precisam devolver os valores anteriores. Isso está determinado pelo STJ desde maio de 2013”, afirma o advogado. 

Porém, a validade da troca de aposentadoria precisa ser ratificada

pelo STF. O julgamento poderá ter final ainda neste ano, pelo que sinalizou o ministro Luís Roberto Barroso. O tema se arrasta na Corte Suprema desde 2003. Até o momento, a votação está empatada, com dois ministros favoráveis ao mecanismo e outros dois contrários. No último mês de dezembro, o processo foi liberado para voltar ao plenário. O caso estava suspenso por pedido de vistas da Ministra Rosa Weber, que já devolveu os autos, mas ainda não proferiu seu voto. 

Os professores também ressaltam que o momento em que ocorrerá o julgamento é uma prerrogativa do STF, embora não seja adequada essa demora na tramitação que está ocorrendo no caso da desaposentadoria. 

Mudança na Previdência pode influenciar na troca de benefício 

O cenário que se desenha com as propostas anunciadas pelo governo sobre a proposta da reforma da Previdência Social, que será encaminhada neste mês ao Congresso Nacional, assusta os especialistas. 

O professor Marco Aurélio Serau Junior acredita que os efeitos da reforma serão negativos para os segurados do INSS e para quem pretende dar entrada na desaposentadoria. “Endurecimento de requisitos para aposentadoria, como idade mínima ou aumento do tempo exigido para contribuição, será um dos principias pilares. Nesse quadro, a desaposentadoria pode sair fortalecida num curto intervalo de tempo, dando a opção de melhor benefício a quem já está aposentado. Porém, em um horizonte mais largo, será inviabilizada, pois já será difícil obter a primeira aposentadoria”, avalia Serau Jr.

 

Gustavo Filipe Barbosa Garcia concorda e reforça que “a tendência geral é de que os requisitos para o recebimento dos benefícios, especialmente das aposentadorias, tornem-se cada vez mais difíceis de serem preenchidos, com exigências cada vez mais rigorosas, o que, naturalmente, pode ocorrer também quanto à desaposentadoria”.

Por Ricardo Flaitt – Medicamentos, atualmente, representam um dos itens que mais pesam nos orçamentos dos cidadãos da terceira idade. E é raro o idoso que não precisa de remédio. Por isso, pensando em amenizar os impactos do custo de vida, o Sindicato Nacional dos Aposentados, Pensionistas e Idosos da Força Sindical (Sindnapi) firmou convênio com as redes de farmácias da Droga Raia e da Drogasil.

Por Ricardo Flaitt / Imprensa Sindnapi - Além de lutar por reajustes e garantir os direitos dos idosos estabelecidos na legislação, o Sindicato Nacional dos Aposentados, Pensionistas e Idosos (Sindnapi) realiza um amplo e forte trabalho de amparo social para a categoria através de convênios e parcerias que facilitam o acesso a serviços essenciais na Terceira Idade.

Por Ricardo Flaitt – É preconceito, porém, ainda tem muita gente que pensa que envelhecer significa ficar em casa, assistir televisão, cuidar dos netos, auxiliar os filhos ou ficar jogando dominó na praça.

G1 - Elena Gálvez ganhou o apelido de 'vovó de bicicleta'. Sua vitalidade chamou atenção até do ator Ashton Kutcher.

Por indicação médica ou por puro lazer, idosos usam o videogame para manter a mente ativa.

Portal do Médico - Paulista realiza sonho e se forma em Medicina aos 82 anos, conheça a história de Edson Gambuggi e se surpreenda com tamanha persistência e perseverança.

DIÁRIO DE SP | Confira como somar a pontuação para se aposentar pelo 85/95

FIQUE ATENTO | Agora SP: INSS alega erro e corta valor de 20 mil benefícios. Em caso de dúvida, procure o Sindicato!

FIQUE ATENTO | Diário SP: INSS manda certa cobrando valor extra pago na revisão dos auxílios. Em caso de dúvida, procure o Sindicato (11) 3293-7500

Por Paulo Pereira da Silva - Logo após o governo ter manifestado sua intenção de recuperar a ideia das Câmaras Setoriais, mecanismo utilizado no início dos anos 90 para combater os efeitos da crise econômica, as centrais demonstraram seu total apoio à iniciativa – aliás, uma reivindicação que nunca saiu da pauta do movimento sindical, pois entendemos que recriar o que já havia dado certo não é demérito algum. Demérito é querer promover um ajuste econômico à custa da perda de direitos.

Por Paulo Pereira da Silva - Valeu toda a pressão da Força Sindical e das demais centrais. Foram necessários muitos esforços e empenho para que o governo, enfim, optasse por resgatar as Câmaras Setoriais, um expediente bastante utilizado durante a década de 90 que consiste em grupos, formados por setores, reunindo trabalhadores, empregadores e representantes do governo para a discussão de medidas que permitam a geração de empregos.

Por Carlos Ortiz - A “reforma” da Previdência Social brasileira, nos moldes propostos pelo governo Temer, é uma artimanha para que o sistema de aposentadorias, de forma velada, seja privatizado. Promover ajustes é muito diferente de sucatear.

Agência Sindical - O que mudou para os trabalhadores de 1986 para cá, ou seja, entre a primeira e a recente edição do “1º de Maio - sua origem, seu significado, suas lutas”, livro lançado na tarde da segunda (19), em São Paulo?

Um dia de cão (e gato!) tem feira gastronômica, de produtores independentes e ainda exposição e live painting

Antes de tudo, vale dizer que em 2016 comemoramos os 500 anos do livro A Utopia, de Thomas Morus, um dos grandes ideólogos do Renascimento. Nada menos que meio milênio. A idade do Brasil.

Grid List

Aposentadoria não é sinônimo de ficar em casa, paradão, sentado no sofá, assistindo televisão. Quando se para de trabalhar é preciso ocupar o corpo e a mente com outras atividades. Uma dessas, muito legais, sem dúvida, é viajar, descansar, sair da rotina e conhecer novos amigos.